RFID transforma modelo de negócios de moda

iotclothesÉ fato que a tecnologia tem revolucionado diferentes áreas do mercado, mudando modelos de negócios ou mesmo acabando com eles. É o caso da relação entre o táxi comum e o Uber e a TV por assinatura e a Netflix. Mas a tecnologia também está presente em mercados que nem imaginamos, como o mundo da moda.

Quem explica essa história é o estilista Renan Serrano, CEO da Trendt, empresa com um conceito diferenciado de loja de roupas. Segundo ele, companhias famosas do setor, como a Zara, já não são meras empresas de moda e sim de tecnologia. “Atualmente, elas usam inteligência artificial (AI) para captar tendências de comportamento e criar peças de roupas baseadas nessas informações, transformando-se em empresas de ‘agile retail’”, diz.

Isso é possível graças as ferramentas tecnológicas que vasculham as redes sociais em busca de comentários específicos, como reclamações de pessoas sobre à falta de uma determinada solução no mercado, e criam modelos baseados nessas informações capturadas.

Serrano não nega que a tecnologia atual pode substituir seu trabalho como estilista. “Enquanto um designer cria 100 modelos por semana, uma ferramenta de AI é capaz de criar mil por dia. A substituição vai acontecer, não dá mais para omitir ou negar, é importante fazermos parte da mudança e não tentar assisti-la”, afirma.

Mas o estilista não acredita que a tecnologia é a vilã da história, mas o contrário. Para ele, a automação não é negativa, “pois retira o trabalho repetitivo de um funcionário e a realoca para pensar”.

E pensar é o que Serrano mais tem feito para descobrir novas formas de trabalhar, tendo criado a loja conceito Trendt. Conforme ele explica, a ideia da loja é atender um único cliente por vez em um estabelecimento sem nenhum funcionário. “A intenção da loja é que o consumidor se cadastre via Internet ou na própria loja e obtenha um cartão RFID da Trendt. Com ele, o cliente poderá escolher sozinho as roupas desejadas e experimentá-las no provador”, diz. O pagamento, segundo ele, pode ser feito via smartphone ou automaticamente, com o próprio cartão RFID.

A tecnologia do projeto entra nas etiquetas RFID inseridas nas roupas que se comunicam com o cartão do cliente e com leitores dentro da loja, que capturam informações sobre quais roupas os consumidores levam sem provar, quais passam pelo provador e quais eles deixam de levar após experimentar. Tudo para entender o porquê isso acontece e criar novos modelos a partir daí.

De acordo com Serrano, a tecnologia é open source e foi desenvolvida por um PhD. em Londres. “Estamos testando protótipos aqui no Brasil e na Inglaterra. A intenção é abrir a loja já com a tecnologia em uso”, diz. O projeto, porém, ainda depende de um investidor para ser concluído.

De estilista a palestrante

Serrano comenta que o mundo globalizado e conectado permite que a troca de informações seja facilitada, tornando mais simples descobrir como utilizar novas tecnologias com pesquisas na Internet e participando de grupos e eventos sobre o assunto. E é com essa ideia que ele palestrará durante o IoT Meeting, encontro sobre Internet das Coisas que será realizado nos dias 3 e 4 de outubro no Transamerica Internacional Plaza, com cobertura do Portal IPNews.

No evento, Serrano explicará detalhes técnicos sobre a Trendt e o conceito de Makers, a evolução da forma de aprendizagem, explicando os caminhos que se pode seguir para utilizar a tecnologia do melhor jeito possível.

Por  João Monteiro para IPNews.

Tecnologia RFID ajuda a evitar extravios de bagagens

bagagem Quase todo mundo que viaja de avião tem uma história para contar de quando chegou ao seu destino, mas não encontrou as bagagens. A boa notícia é que dados compilados pela Sita, uma empresa de tecnologia para a aviação, mostram um risco fortemente decrescente de que malas sejam perdidas. O ano passado registrou a menor incidência de perda de malas –6,5 peças por mil– nos 12 anos em que a Sita acompanha essa estatística.

Diversos avanços em tecnologia e nos procedimentos de tratamento de bagagem merecem o crédito, entre os quais melhoras nas etiquetas de código de barras e leitores ópticos. Mas esses sistemas têm limites, e o setor de aviação vem sendo lento para adotar métodos utilizados por outros segmentos. “Veja o comércio on-line”, compara Ryan Ghee, especialista em tecnologia de viagem. “As pessoas encomendam algo e, a cada passo da jornada, são capazes de ver onde está seu pacote.”

Já os códigos de barras de malas podem falhar se a etiqueta estiver enrugada, manchada ou se sua posição não permitir acesso fácil ao leitor. Se a etiqueta não for legível, a mala pode ser perdida sem que alguém perceba. Os leitores de códigos de barra têm índice de acerto de 80% a 95%, no caso de etiquetas de bagagem, de acordo com Nick Gates, diretor da Sita responsável pela tecnologia de bagagem. “Se você conseguir melhorar a precisão na leitura das etiquetas de malas, cai a probabilidade de que a mala sofra atrasos em seu percurso pelo aeroporto”, diz.

É por isso que companhias aéreas e aeroportos estão determinados a melhorar o rastreamento, adotando métodos mais novos que o código de barras, empregado há mais de 30 anos. A nova onda são etiquetas que não precisam ser vistas para serem lidas. A americana Delta passou a usar um modelo que tem incorporado um chip de identificação por radiofrequência.

O chip armazena informações da viagem e precisa apenas estar perto de leitores por rádio para que o caminho da bagagem seja registrado. Passageiros podem usar o aplicativo da empresa para rastrear suas malas. “Esse é o próximo passo em confiabilidade”, afirma Rodney Brooks, gerente-geral de operações aeroportuárias da Delta.

A empresa está investindo US$ 50 milhões em leitores, impressoras e etiquetas de rádio. O sistema está sendo instalado nos 344 aeroportos em que a Delta opera e deve entrar em operação neste mês –e, espera-se, pode acelerar a adoção do sistema por outras companhias de aviação dos Estados Unidos. A francesa Air France, a Lufthansa, da Alemanha, e a Qantas, da Austrália, também já testam chips de rádio para identificar bagagens.

Meta Internacional

A adoção generalizada de etiquetas com chips de rádio não tem sido fácil de implementar, a despeito dos esforços da Iata (Associação Internacional do Transporte Aéreo). A organização estabeleceu que, até a metade de 2018, as 265 empresas associadas a ela deverão rastrear bagagens e localizá-las com precisão –em seus voos e quando houver conexão com outras companhias.

“Não importa que tecnologia elas escolham, desde que as malas possam ser rastreadas assim que saírem das mãos dos viajantes”, diz Nick Careen, executivo da Iata. Rastrear bagagens é difícil por diversas razões. Atualizar sistemas para a tecnologia mais recente requer mudanças de infraestrutura que podem ser dispendiosas e incômodas. E a maioria dos aeroportos deixa a cada empresa aérea a tarefa de administrar seu sistema de embarque, o que faz com que as tecnologias e procedimentos variem amplamente.

O aeroporto McCarran, de Las Vegas (EUA), é uma exceção: como parte de sua renovação em 2005, decidiu que adotaria chips de rádio ao sistema de embarque e separação de bagagens. Os chips incorporados às etiquetas de papel usadas em Las Vegas garantem que a bagagem embarcada se movimente de maneira mais rápida e precisa pelo sistema, e elevam a probabilidade de que as malas cheguem aos aviões certos.

“O sistema funciona com muita precisão -em torno de 99,5%”, diz Samuel Ingalls, diretor-assistente de sistemas de informação do aeroporto. Nos últimos dez anos, o McCarran lidou com 160 milhões de malas portadoras de etiquetas de rádio. Existem muitas maneiras para que companhias aéreas e aeroportos usem essas etiquetas. Em 2010, quando a Qantas se tornou uma das primeiras empresas a adotar a tecnologia, começou a vender uma etiqueta reutilizável, de plástico duro, por US$ 60. Um porta-voz informou que mais de 1,5 milhão dessas etiquetas estão em circulação.

As etiquetas de papel de uso único da Delta, como as usadas pelo aeroporto McCarran, são muito mais baratas, e custam alguns centavos de dólar por unidade. Além das companhias aéreas, outros fornecedores desenvolvem versões variadas de malas, etiquetas e apps. A Rimowa, fabricante alemã de bagagens de luxo, tem um código de barras com tinta eletrônica e chip de rádio afixado às malas que vende.

Passageiros que usam essas malas e voam pela Lufthansa podem fazer check-in expresso. “Sempre que você chega com uma dessas malas já etiquetada, pode colocá-la diretamente na cinta transportadora de bagagens e o check-in será automático”, explica Björn Becker, diretor de serviços terrestres e digitais da Lufthansa. Não importa que abordagem as companhias de aviação adotem, Careen, da Iata, ecoa os sentimentos de viajantes ao dizer que os passageiros deveriam “saber o tempo todo onde está sua bagagem”. 

Por Christine Negroni do New York Times para Folha de São Paulo.

Como os esportes se tornarão mais competitivos com Big Data

techsportsPara muitos de nós, esporte é uma paixão. Independentemente do idioma, território ou torcida, estamos todos unidos por uma louca paixão pelo esporte, fazendo dele um forte elo de integração e inspiração. Por outro lado, o esporte também é um negócio sério.

Nossa paixão pelo esporte – e pela competição –sempre fez parte do DNA humano. Uma coisa que mudou, no entanto, é o modo como vivenciamos essa paixão. Durante o último século, avanços tecnológicos têm revolucionado o esporte e, como resultado, essa indústria se tornou global e está avaliada em US$ 100 bilhões. Hiperconectividade, computação em nuvem, dispositivos inteligentes e segurança cibernética são algumas megatendências que estão impulsionando a transformação digital nos esportes.

Embora ainda em estágios iniciais, uma nova era nos esportes já está em curso: a era do Big Data. Há quinze anos, o uso de análises no esporte era estranho e controverso. Muitos olheiros, treinadores e jornalistas esportivos acreditavam apenas no que viam com seus olhos. Eles não valorizam o uso de computadores nem de dados – até que as equipes que usavam dados começaram a vencer e inovar. Isso mudou o jogo para sempre. Organizações esportivas em todo o mundo estão investindo para mudar o jogo com tecnologias modernas, incluindo dispositivos wearables e tags RFID que rastreiam os movimentos a fim de melhorar o desempenho dos jogadores e reduzir lesões, e instalando tecnologias baseadas em câmera para capturar estatísticas em tempo real.

Hoje, com a capacidade tecnológica existente para processar grandes volumes de dados brutos, o esporte profissional está mudando em todos os níveis – dos camarotes, campos, e quadras até torcedores em casa.

Ainda que a tecnologia possa parecer complexa, a transformação nos esportes já está ocorrendo de três maneiras simples: tornando o jogo mais competitivo para os jogadores, mais divertido e atraente para os torcedores e mais rentável para os clubes e organizações. É um cenário em que todos ganham uma vantagem competitiva.

Mais performance, menos lesão

Com a ajuda da tecnologia, ligas e equipes esportivas são capazes de analisar grandes quantidades de dados e transformá-las em informações inteligentes, permitindo que os jogadores treinem melhor, de forma mais inteligente que seus adversários, e evitem lesões. Isso permite que os treinadores façam uma gestão holística e engaje suas equipes de modo mais eficiente.

Pense nisso. Em apenas 10 minutos de treinamento, 10 jogadores treinando com três bolas podem gerar 7 milhões de novos pontos de dados. E uma hora e meia de partida de tênis entre dois jogadores gera uma média de 60 mil a 70 mil registros. Com o poder da tecnologia de processamento e análise de informações, por exemplo, todos os dados podem ser processados e analisados até 1.000 vezes mais rápido do que as plataformas tradicionais, ou seja, podemos encontrar padrões nos dados em um piscar de olhos. Essas são as perspectivas que nenhum treinador, jogador ou clube, com toda sua experiência, poderiam ter normalmente.

As equipes agora podem explorar os grandes volumes de dados vindos de sensores, vídeos e plataformas sociais e reunir todos os sinais de grandes conjuntos de dados de históricos, permitindo fazer previsão e recomendações perfeitas para a forma física e o desempenho dos jogadores. Eles poderão agir imediatamente e tomar decisões informadas em tempo real.

Torcedor no centro das ações

Torcedores são pessoas apaixonadas. Hoje, eles não só estão usando a camisa de seus times, como também estão compartilhando suas paixões com milhões de pessoas nas mídias sociais – até 2020, mais de 2,55 bilhões de pessoas estarão nas mídias sociais. Os torcedores de hoje esperam mais em troca de sua torcida. Eles querem ser capazes de assistir a todos os jogos, estejam onde estiverem, em qualquer dispositivo. Eles querem ver placares, estatísticas personalizadas e notícias atualizadas constantemente. Eles também querem se relacionar com seus jogadores favoritos e saber as notícias em primeira mão.

Em vez de acompanhar passivamente os esportes em casa, eles querem esportes que também se envolvam com eles. E, na nova economia digital com 50 bilhões dispositivos capazes de se conectar à Internet e na qual os limites entre os mundo físico e virtual são cada vez mais tênues, os torcedores esperam contar com experiências digitais inteiramente novas que os aproximem da ação. Com o poder da tecnologia, os torcedores passaram a serem no centro das ações e a tecnologia está redefinindo a experiência digital para eles.

Administração simplificada

Por fim, com a capacidade de armazenagem e processamento de grandes volumes de dados, os clubes podem integrar todos os aspectos de suas operações, tudo em um mesmo lugar: venda de ingressos e de merchandising; avaliação de jogadores e gestão de salários; recursos humanos e contabilidade; mídias sociais e marketing. A tecnologia também permite que os times identifiquem e compreendam suas bases globais de torcedores para gerar mais oportunidades de receita e valor para a marca.

Enfim, a transformação e a inovação nos esportes, independente da modalidade, já são realidades e estão à disposição para tornar a experiência dos torcedores mais interativas e agradáveis, os clubes e ligas têm um leque de opções para se diferenciarem e se tornarem mais atrativos aos fãs.

Cristina Palmaka para o Valor Agregado.

Internet of Things e Analytics: Informações valiosas com RFID

IoTAnalyticsEmbora a informação sempre tenha existido, ela muitas vezes está inacessível, incompleta ou até mesmo, quando visível, parece não fazer sentido por si só. Novas tecnologias surgem e o Big Data, assim como os desafios que o permeiam – análise, captura, curadoria, pesquisa, compartilhamento, armazenamento, transferência, visualização e privacidade dos dados – está cada vez mais em evidência. É o volume de informações crescendo exponencialmente.

Em suas recentes previsões para 2016, o Gartner ressalta que tudo na chamada malha digital – que nada mais é que a união de dispositivos móveis, wearables (tecnologias para vestir), sensores da Internet das Coisas (IoT) e outros dispositivos que são utilizados para interação entre pessoas –  produz, utiliza e transmite informação. Os dados vêm de todos os lados, de diversas fontes, podem ser extraídos de textos, áudios e vídeos, mas também incluem informações sensoriais e contextuais, disponíveis nas redes sociais, por exemplo. Estima-se que, ainda em 2016, 6,4 bilhões de “coisas” conectadas estarão em uso, sendo que em 2020 esse número deve saltar para 20,8 bilhões.

O dilúvio de informações nesse cenário 100% conectado parece caótico. Tudo na era Internet das Coisas gera dados. Aparelhos de pressão com chip, informando o estado do paciente diretamente para o médico e alimentando seu prontuário eletrônico; vagas públicas de estacionamentos com QR Codes que permitam o controle das vagas ocupadas e o registro dos pagamentos; sensores na rede de transmissão elétrica fornecendo em tempo real o status do consumo, índices de desperdício e pontos de falta de energia; sensores com tecnologia RFID para saber se um enfermeiro, médico ou funcionário de um hospital lavou suas mãos antes de entrar em contato com o paciente; e até mesmo semáforos conversando entre si e com os veículos para melhorar o controle do tráfego.
A questão é: como tirar proveito deste volume estrondoso de dados não estruturados, dispersos em inúmeras bases e provenientes de “n” fontes? As avançadas ferramentas de Business Intelligence (BI), também chamadas Analytics, graças à sua habilidade de utilizar dados, análises e raciocínio sistemático, são uma boa saída para lidar e tornar útil esse enorme volume de informação.
Voltando aos exemplos acima de aplicações IoT, as informações disponibilizadas pelos avançados aparelhos de pressão, poderiam ser de grande valia para políticas de saúde pública. Juntamente com dados dos hospitais, informações demográficas, índices relacionados à procura de medicamento para hipertensão nas farmácias no entorno, podem ser transformadas com o apoio do analytics em estatísticas extremamente úteis, permitindo descobrir, inclusive, maior incidência de pressão alta em determinada região. As descobertas permitem orientar medidas corretivas, ações educativas, aprimorar o controle da quantidade de sódio na água e uma série de outras iniciativas.
Isso só é possível por que as ferramentas de BI são capazes de extrair e realizar um primoroso trabalho analítico e inteligente em cima de grandes volumes de dados, estruturados ou não, coletados e armazenados por inúmeras outras tecnologias de altíssimo desempenho. Estamos falando do cruzamento de uma infinidade de dados, nos ambientes interno e externo, para gerar relatórios e dashboards extremamente visuais e interativos, com insights valiosos para a tomada de decisão, seja ela qual for.
Enfim, informações vindas de todos os lados compõem esse universo. E mesmo o que, em um primeiro momento, pareça invisível ou impalpável pode de alguma forma ser útil, se lapidado. Investir em inteligência analítica e transformar simples dados em informações valiosas é com certeza uma das melhores formas de se tirar proveito deste mundo tão conectado.

Por Alberto Branquinho para Canaltech Corporate.