Saiba como a Volkswagen tem usado conceitos de Indústria 4.0 para conectar sua produção

Montadora aposta em robôs e máquinas inteligentes

VW-938x450

Volkswagen do Brasil tem apostado em robôs e máquinas inteligentes, sob o conceito de Indústria 4.0, para tornar sua produção mais eficiente.

Celso Placeres, diretor de Engenharia de Manufatura da Volkswagen do Brasil, brinca que pode parecer um filme futurista, mas a manufatura digitalizada, com inteligência artificial e alto nível de automação, já é realidade iniciada na Volkswagen do Brasil. “A Indústria 4.0 garante a competitividade para o futuro e a Volkswagen do Brasil está alinhada a essas tecnologias inovadoras, que permitem tomar decisões extremamente rápidas, assertivas, detectar problemas, evitar falhas e reduzir custos”, comenta.

A empresa aposta na capacidade dos sistemas inteligentes de controlar e gerenciar a produção com alta eficiência, produtividade e de forma assertiva. No momento em que o veículo (acompanhado de sensores) passa pela produção, os sistemas já acessam via intranet ou internet, em tempo real, todas as informações armazenadas em servidores sobre ele – qual modelo é, versão, para qual país será vendido etc –; em seguida, tomam as decisões sozinhos e executam as operações com eficiência máxima, rapidez nunca antes imaginada e dando suporte ao ser humano, para que ele seja cada vez mais eficiente no trabalho.

Além disso, na Indústria 4.0 todas as informações sobre a operação são armazenadas, podendo ser rastreadas posteriormente, o que traz confiabilidade ao sistema.

Confira exemplos práticas do uso de Indústria 4.0 e inteligência artificial (AI) na produção da VW:

1. “DNA do Veículo”

Na produção, o veículo (ou carroceria) vem acompanhado do dispositivo Tag RFiD (Radio Frequency identification), que armazena seu número de identificação (é uma “evolução do código de barras”, mas com a vantagem de poder incluir e gravar informações ao longo do processo). Quando o veículo (ou carroceria) chega em cada posto de trabalho, seu número de identificação é transmitido por rádio frequência para antenas. Aí, os sistemas conversam em tempo real e buscam informações sobre o veículo armazenadas no servidor: qual modelo é, versão, motorização etc. Ao trocar informações, robôs e máquinas já sabem quais operações fazer.

2. Robô decide qual lateral pegar

Quando a carroceria da Saveiro passa pela produção da fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo, por exemplo, o sistema já identifica qual é a versão da picape. Na mesma hora, o robô decide qual das laterais deve pegar (de cabine simples, estendida ou dupla). Sensores garantem o acerto sempre.

3. Medição em segundos

Em questão de segundos, um robô com sensores a laser mede toda carroceria. Em seguida, esse robô “conversa” com o sistema para cruzarem dados e decidirem se o veículo está perfeito. Se verificarem que sim, ele segue; se não, a linha para.

4. Precisão ao gravar chassi

A carroceria chega no posto de trabalho e por meio de seu RFiD o sistema a reconhece e envia seu número de chassi para a máquina, que faz a gravação.

5. “Casamento Perfeito”

No Fahrwerk (área onde a carroceria e a parte motriz “se casam”), o sistema identifica qual é o modelo do veículo e envia o conjunto motriz certo para o “altar”. A máquina também recebe informação de todos os torques (força de aperto ideal para cada parafuso) que devem ser aplicados nessa união.

6. Sinal verde para a eficiência

Na montagem, a tampa do tanque do veículo ganha etiqueta de indicação de combustível e pressão de pneus. Mas a Volkswagen do Brasil produz para vários países, com especificações diferentes. Quando o veículo chega neste ponto, o sistema identifica qual é o modelo e onde será vendido. Aí, acende luz verde sobre a caixa com a etiqueta certa. Se o empregado colocar a mão em outra caixa, acende luz vermelha e para a linha.

7. Foco perfeito

O empregado posiciona a parafusadeira automática e o sistema, que já identificou qual veículo está ali, faz os ajustes de faróis com máxima precisão.

8. Impressoras 3D tornam real os projetos do computador

Todas as fábricas da Volkswagen do Brasil já trabalham com impressoras 3D, que materializam – com máxima precisão e sem desperdício de material – peças e dispositivos que eram apenas projeto no computador. A tecnologia de impressoras 3D também é parte da Indústria 4.0. Na engenharia de Protótipos, a impressora 3D à base de resina líquida e laser faz peças perfeitas para os projetos de veículos do futuro. Nas fábricas, impressoras 3D que trabalham com material plástico fazem, entre outras peças, dispositivos (chapelonas) que auxiliam os empregados na produção. As chapelonas são peças para serem apoiadas na carroceria, orientando os pontos onde o empregado deve, por exemplo, colar um logo, fixar o vidro, centralizar o painel de instrumentos etc.

Fonte: https://itforum365.com.br/conectividade/internet-das-coisas/saiba-como-volkswagen-tem-usado-conceitos-de-industria-4-0-para-conectar-sua-producao

Moda em segurança

Com a Indústria 4.0 implementada no setor têxtil e de vestuário, a comunicação entre diferentes áreas eo conhecimento em tempo real de estoques e necessidades tornou-se crítico. Infos, Heliotextil e Gateway revelam algumas das soluções para tornar a moda mais segura.

moda

Para manter a competitividade e responder às mudanças na indústria da moda causadas pela globalização e distâncias maiores entre clientes e fornecedores, bem como a exigência de personalização pelos consumidores finais, a Infos identifica a rastreabilidade como uma solução. “À medida que as operações da empresa se tornam mais complexas, com o mercado em escala global e novas posições (cada vez mais verticais), as empresas sentem a necessidade de maior rastreabilidade e velocidade no acesso à informação”, explica a empresa no suplemento Safe Fashion. “A Infos possui o know-how e a capacidade de fornecer as múltiplas soluções necessárias nas organizações”, enfatiza.

Na Heliotextil, o foco é a luta contra a contrafacção, como soluções com hologramas, processamento de imagem, fios especiais e tecnologia Rfid, que a empresa, através da subsidiária Mania4.0, desenvolve e disponibiliza. “A Heliotextil, através do seu departamento de inovação, tem projetos de desenvolvimento contínuos dedicados à integração das tecnologias Rfid, que gerou know-how que oferece à empresa novos produtos e soluções para proteção de marca, engajamento de clientes, gerenciamento de estoque e cadeia de suprimentos” Heliotextil diz.

O Gateway, por sua vez, garante “um mundo de soluções”, incluindo sistemas anti-roubo EAS, sistema de contagem de pessoas, sistemas de CCTV, software de gerenciamento de estatísticas da Store Assist Pro, sistemas Rfid, rotulagem de fontes, cofres e controles de acesso. “A evolução do setor têxtil, que se faz sentir todos os anos, significa que nós, parceiros de varejo, somos desafiados todos os dias a tentar encontrar e implementar as soluções mais inovadoras e, por sua vez,” Nascem “todos os dias”, diz o empresa.

Conheça mais detalhadamente essas empresas e suas soluções no complemento Segura Fashion, publicado na edição de outubro do Jornal Têxtil.

fonte: https://www.portugaltextil.com/moda-em-seguranca/

Como a tecnologia RFID está evoluindo na indústria de resíduos e reciclagem

 De acordo com funcionários do setor, a tecnologia RFID está sendo usada cada vez mais como uma maneira de rastrear contêineres e verificar o serviço.
 cart-logic-RFID_1_0Os sistemas de tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) foram inicialmente considerados como os programas de coleta de lixo e reciclagem de pagamento por explosão. As etiquetas de ativos foram anexadas aos resíduos e recipientes de reciclagem e os dados foram coletados quando estava cheio, alertando os transportadores a implantar um veículo para esvaziá-lo.

Mas de acordo com os funcionários da indústria, a tecnologia RFID está sendo usada cada vez mais como uma maneira de rastrear contêineres e verificar o serviço.

“A RFID é uma ótima ferramenta de inventário. Ele também nos fornece dados de verificação de serviço e produtividade “, diz Joshua Connell, sócio-gerente da Morth Grove, Illinois Lakeshore Recycling Systems. “É minha opinião que pode ser usado mais para verificar o serviço e acompanhar o inventário. O consumidor terá que dirigir o uso mais em relação aos programas de pagamento por ação. “

Atualmente, a tecnologia RFID ajuda o setor de resíduos e reciclagem no rastreamento, gerenciamento de pedidos de trabalho e reparos de contêineres de resíduos, além de verificação de serviços e gerenciamento de rotas de resíduos de veículos, de acordo com Jim Pickett, vice-presidente de vendas da Toter LLC, com sede em Statesville, NC

Ele diz que houve um crescimento recente no uso de tags RFID para gerenciar carrinhos como recursos municipais e serviço de coleta de trilhas em tempo real. Os carrinhos de reciclagem são comumente identificados por RFID para monitorar os níveis de participação por rotas, ruas e residências individuais. A tecnologia RFID permite o rastreamento automático de ativos (verificação) da verificação do serviço em tempo real desde o momento em que o carrinho é entregue a uma casa e, em seguida, durante toda a vida útil do carrinho.

 “A tecnologia que reúne dados de coleta de carrinho de RFID nas rotas também permite que os gerentes monitorem muitos aspectos das operações de rota, incluindo progresso na rota, paradas perdidas, desempenho do motorista, condição do veículo e situações relacionadas à segurança”, diz ele. “Esses recursos RFID ajudam a rastrear dados em tempo real, o que melhora a produtividade, segurança e disponibilidade da frota”.

Ao longo do ano passado, a tecnologia evoluiu na adição de novas entradas ao sistema veicular, como câmeras on-board e entradas de drivers de rotas, de acordo com Pickett. Os relatórios do site hospedado também foram aprimorados e expandidos.

“Não tenho certeza se a tecnologia mudou no ano passado”, diz Connell. “A maior mudança foi a nossa capacidade como empresa para criar processos internos para gerenciar a tecnologia e ajudar nossos clientes com a tecnologia”.

Apesar do seu crescimento, a tecnologia ainda enfrenta alguns desafios dentro da indústria de resíduos e reciclagem.

“Os prestadores de serviços às vezes têm necessidades incomuns de que um determinado sistema pode não se encontrar completamente. Os funcionários de TI dos clientes podem assumir que as capacidades adicionais são logicamente parte do programa, mesmo que não estejam dentro do escopo do sistema “, diz Pickett.

Um exemplo é a suposição de que o software de um sistema RFID irá se conectar automaticamente com dezenas de pacotes de software de cobrança e serviço ao cliente já em uso.

Além da implementação inicial, Connell diz que o maior desafio foi no processo de cobrança.

“O sistema funciona melhor quando todos os residentes recebem e pagam por serviços eletronicamente”, diz ele. “Eu comparo isso com um sistema de pedágio em que os clientes teriam um pequeno saldo pré-pago e os fundos são deduzidos de sua conta quando os serviços são fornecidos. Se você deve enviar faturas de papel mensalmente e processar pagamentos manualmente, o programa não funciona bem. “

As empresas de resíduos e reciclagem estão a ver benefícios na utilização da tecnologia RFID, incluindo a sua facilidade de utilização.

“Com nossas duas comunidades que estão usando a tecnologia, o maior benefício foi a facilidade de uso. Os residentes não precisam mais comprar adesivos e marcar seus carros de resíduos e reciclagem “, diz Connell.

 De acordo com Pickett, muitos transportadores particulares fornecem coleta de dados RFID para ganhar contratos de cobrança de reciclagem.

“Cidades e municípios contam com dados RFID para atender aos requisitos de rastreamento de ativos e avaliar quais clientes estão participando em programas de diversão de reciclagem que os economizam em taxas de descarte”, diz ele.

fonte: http://www.waste360.com/fleets-technology/how-rfid-technology-evolving-waste-and-recycling-industry

Tecnologia de rastreamento aumenta a produtividade de joalherias

fa-jewellery-26071

Cingapura – Os joalheiros estão aprovando a tecnologia que permite que seus funcionários sejam mais produtivos e reduzam os altos níveis de estresse causados pelo longo tempo que costumavam gastar para localizar itens perdidos de alto valor.

Cerca de 15 joalheiros locais estão usando a tecnologia RFID (Radio Frequency Identification), que reduz o tempo para rastrear e encontrar artigos perdidos ou roubados e também o tempo que os funcionários gastam para controlar o estoque.

Jan Ho, diretora executiva da Ngee Soon Jewellery, um dos primeiros adotantes da tecnologia, disse: “Hoje, leva menos de uma hora para localizar itens perdidos, em comparação com um dia inteiro antes do sistema RFID ser implementado.

“Os funcionários também estão menos preocupados com a localização de itens de jóias perdidas, que costumavam causar alto estresse. Isso libera mais tempo para o engajamento do cliente e a venda de produtos”.

A tecnologia usa tags com chips incorporados que podem ser detectados por um scanner. Ele vem com um programa de software que contabiliza a jóia, verificando os itens em relação ao número total abastecido pela loja. Com o sistema, é preciso apenas uma pessoa para realizar ações, um trabalho que costumava levar dois funcionários para fazê-lo à mão.

A tecnologia RFID tornou-se mais acessível nos últimos anos, com o preço de um sistema caindo até 80%, de mais de US $ 100.000 quando foi lançado pela primeira vez em 2004.

Isso torna a implementação desta tecnologia cada vez mais rentável para pequenas e médias empresas.

O primeiro ministro de Estado do Comércio e Indústria, Sim Ann, disse: “A implementação desta tecnologia pode ajudar as empresas a garantir o aumento geral da produtividade e melhorar o ambiente de trabalho para os funcionários”.

O Sr. Teo Kian Yeong, diretor-gerente da Boon Lay Gems, disse em mandarim: “Será muito útil cortar a quantidade de tempo desperdiçado – tínhamos que passar de três a quatro horas todos os dias apenas fazendo um balanço. Com a tecnologia RFID, isso pode ser eliminado “.

Lee Hwa diretor Ko Lee Meng disse que com a tecnologia, sua equipe “poderia ir para casa mais cedo”.

Matéria original: http: Straitstimes

Chip instalado nas bicicletas garante a preferência em semáforos na Dinamarca

2743358467_4ee4dc1a8a_b-1000x750

A cidade dinamarquesa de Aarhus lançou uma nova tecnologia (ainda em fase de testes) para aumentar a segurança dos ciclistas. Trata-se do RFID (sigla em inglês para “identificação de radiofrequência”), um chip instalado nas bicicletas que coordena a sinalização viária para dar preferência aos ciclistas que se aproximam dos cruzamentos.

O chip é instalado na roda dianteira da bicicleta e é lido por um sensor nos semáforos equipados com esta nova tecnologia. O dispositivo detecta a aproximação dos ciclistas que estão a até 100 metros do semáforo. A tecnologia foi testada em 200 bicicletas em 2015 e deve ser instalada em outras mil ainda este ano.

Uma das idealizadoras do projeto, Louise Overgaard, disse que a cidade precisa  “definir um plano político para expandir para outros cruzamentos. O mais importante é que os ciclistas sintam que há um espaço seguro para eles.” Segundo ela, a forma como os ciclistas devem cruzar as ruas hoje em dia não é segura, o que faz com que muitas pessoas tenham medo de usar a bicicleta como meio de transporte.

É por isso que o projeto pretende, além de proteger os ciclistas, incentivar mais pessoas a usarem a bicicleta como meio de transporte cotidiano. O sistema é uma das ações do programa “Aarhus Cycling City“, que vem sendo desenvolvido desde 2009 para promover a mobilidade sustentável na cidade e que inclui, entre outras medidas, 56 pontos de aluguel de bicicletas.

Se a inovação for eficaz, o plano é aumentar o sistema para uma espécie de “passaporte dos ciclistas”. Isso significa que aqueles que aderirem à nova tecnologia poderão receber benefícios da Prefeitura Municipal, como prioridade nos semáforos, estacionamentos e outros equipamentos.

Matéria original: archdaily.com.br